• Paulo Eduardo Nogueira

Brasil ainda patina na evolução da 5G

Atualizado: 4 de Nov de 2019

Embora tenha sido iniciada nos idos de 2008 pela Coreia do Sul, e seguida nos anos posteriores por países europeus, a implantação no Brasil da tecnologia de comunicação móvel 5G (quinta geração de internet móvel ou de sistema sem fio) ainda caminha lentamente em comparação com outros países latino-americanos, apesar de estarmos às portas de 2020. E por vários motivos, conforme constatam reportagens publicadas em semanas recentes sobre o tema.


Enquanto o Uruguai já iniciou testes comerciais de 5G em abril, disponibilizando a rede para consumidores, e o México está dois anos à frente de nós em termos de evolução, no Brasil ainda há barreiras, como, por exemplo, a dificuldade de liberação de instalação de mais antenas, segundo avalia reportagem da agência Reuters. E o uso de 5G demanda cinco vezes mais antenas.


Além disso, a Anatel constatou que o sinal de 5G interfere diretamente no sinal de TV aberta captado por antenas parabólicas, hoje utilizadas em 22 milhões de domicílios, informa o site Tecmundo. Embora as parabólicas instaladas no ambiente rural (cerca de 60% delas) possam utilizar outras frequências 5G que não interfiram na banda C, as antenas urbanas vão requerer adaptações para superar o problema, como, por exemplo, instalar filtros que teriam custo total de 460 milhões de reais, o que levaria pelo menos três anos para ser feito. Isso encarecerá o preço do sistema, o que pode prejudicar o acesso à TV pelas faixas de baixa renda.


Não por acaso, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) já admite adiar o leilão do espectro 5G, inicialmente previsto para março de 2020, mas que, em função desses problemas, pode ficar para o segundo semestre. Além da questão das parabólicas, o Ministério constata que algumas operadoras, em função de suas condições financeiras e estratégias comerciais, prefeririam o adiamento do leilão para melhor se adaptar.


Além disso, a experiência com 5G em países mais avançados ainda apresenta falhas de cobertura, com a rede frequentemente caindo para 4G, mesmo estando em frente de uma antena, o que desmotiva operadoras brasileiras a acelerarem o processo de sua instalação. Lentidão, porém, não tem bons antecedentes em nossa história: nos anos 1980, por causa de uma suposta defesa da indústria de computação nacional que restringia importações nessa área, atrasamos em décadas nossa evolução digital. O que pode se repetir com a vacilação 5G.


#5G #telecomunicações #digital #cidades #smartcities #cidadesinteligentes #comunidadedainovação


Se você precisa de conteúdo e textos bem elaborados, entre em contato com comunidadedainovacao@gmail.com


Crédito da imagem: mohamed_hassan by Pixabay

Formulário de Inscrição

©2019 por Comunidade da Inovação. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now